Capela de São Sebastião

  • Capela-de-S.Sebastião-01Capela-de-S.Sebastião-01
  • Capela-de-S.Sebastião-02Capela-de-S.Sebastião-02

Museu Virtual Category: PATRIMÓNIO EDIFICADO e CapelasMuseu Virtual Tags: capela, património edificado, religião e religioso

Info
Info
Fotografias
Mapa de Localização
Itens Relacionados
  • Capela de São Sebastião

     

    A Capela de São Sebastião terá sido construída no final do século XVI ou início do século XVII. Corroborando esta ideia, o retábulo que ali se encontra tem características maneiristas,  típicas de retábulos do século XVII.

    Tendo sido construída fora da vila, encontra-se num local mais elevado, de grande destaque, e de onde se tem uma ampla visão sobre o vale de Manteigas para este. Aparecendo assim descrita na Corografia Portuguesa de 1708 como “S. Sebastião em hum monte junto à serra para o Poente”, e é também referida nas Memórias Paroquiais de 1758, como umas das 7 capelas anexas a São Pedro, e que se situava fora da Vila.

    No século XX, mais propriamente no ano de 1925, procedeu-se a obras de restauro, oferta dos devotos de São Sebastião, ato que ficou marcado numa placa acima do portal. As últimas obras de reparação deram-se por iniciativa do saudoso Padre Tarrinha.

    Sendo São Sebastião associado à proteção contra a fome, as pestes (doenças) e guerra, o seu culto em Manteigas é acentuado e professa-se em ambas as paróquias, uma vez que a Igreja de Santa Maria também tem um altar a ele dedicado, talvez porque ao longo da história a doença e a fome assolavam frequentemente a vila.

    Trata-se de uma pequena capela de construção bastante simples e austera. As paredes são, tal como a maioria das outras capelas, todas pintadas de branco, com exceção da fachada, na qual sobressaem as pilastras cantoneiras e a empena triangular em granito, sobrepostas por uma cruz central, e dois ornamentos em forma de urna. O portal é também em granito, formando um arco rebaixado. É ladeado por duas seteiras. Para além destas aberturas, a capela tem apenas mais uma janela lateral (na fachada esquerda).

    No interior, a decoração é parca, e resume-se ao altar, já referido. Este caracteriza-se pela talha dourada sobre fundo pastel, mas conjugada com variados tons de azul em determinadas zonas. A parte inferior é ocupada pela mesa de altar; acima, ocupando a zona intermédia, encontra-se a imagem de São Sebastião, no nicho central que é ladeado por duas pinturas: do lado esquerdo uma representação da Pietá e do lado direito São Gregório Magno, sem grande qualidade técnica. Destaque para as duas colunas laterais de fundo azul mas fortemente decoradas com motivos vegetais e animais (dourados) no fuste, com capitel coríntio. A parte superior mostra um frontão em arco de volta perfeita, trabalhada e pintada em dourado, sendo o centro pintado de azul e onde sobressai um sol radiante em relevo, com quatro cabeças de anjos. Foram colocadas duas pequenas esculturas em cada lado do altar (Santo António e Santa Rita), e nas paredes laterais encontram-se 14 quadros (7 de cada lado), representando as estações da Via Sacra.

    Encontrando-se a Capela num sítio isolado, foi construído nas suas imediações um parque de lazer. À frente, foi construída uma escadaria com vários níveis. A grande cruz, iluminada, que se encontra colocada à esquerda da capela, foi construída por vontade do padre António Tarrinha, que tendo chegado a Manteigas ficou deslumbrado com a beleza natural da Fraga da Cruz, tendo de imediato a ideia de ali colocar um cruzeiro luminoso que inspirasse todos aqueles que o observassem. Não conseguindo autorização para tal, optou então pelo morro de São Sebastião (junto à capela), já que este também era um lugar sobranceiro à vila, e produziria o mesmo efeito.

     

    Estado de conservação

    Bom à data de 01-10-2014

     

    Bibliografia

    Antologia I – Depoimentos Histórico – Etnográficos sobre Manteigas e Sameiro, José Lucas Baptista Duarte, Edição da Câmara Municipal de Manteigas, 1985

    Dicionário Enciclopédico das Freguesias – 3º volume, Editora ANAFRE, 1997

    Guia do Apreciador de Pintura – “Histórias e personagens que inspiraram as obras-primas da pintura ocidental” – Marcus Lodwick, Editorial Estampa, 2003

    Padre António Tarrinha, Pastor Atento e Dedicado, Evocação nos 100 anos do seu nascimento, Ediçã0 Económico da Paróquia de S. Pedro, Manteigas, 2012

    Corografia Portuguesa, Padre António Carvalho da Costa, 1708, pág. 351

    Memórias Paroquiais de 1758, reunidas pelo Padre Luís Cardoso

     

  • No Records Found

    Sorry, no record were found. Please adjust your search criteria and try again.